Menu

Vereadores de Assis Brasil

Publicidade

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

MUITA POLÊMICA NA 33ª SESSÃO DA CÂMARA DE ASSIS BRASIL. CONFIRA



1 MANOEL MATIAS DE SALES
Sobre Marco Rondon, disse que todos são testemunhas de quantas vezes já solicitou que seja feito algo naquela praça, pois pode causar acidente a qualquer hora. Já foi instigado a arrancar aquele suporte, mas não o faz porque pode dar cadeia. Em relação a última votação de projetos, ouviu muita gente dizer que ele votou contra os professores, mas não foi isso, a questão é que não concordou coma forma que chegou e foi votado. Nunca se absteve, seu voto é sim ou não. Nisto destacou que cada um na Casa tem sua opinião formada. Acrescentou que não concordou porque a categoria já havia acordado que baixaria, no entanto foi tirado mais dez por cento dos quinze que estava. Também destacou a dificuldade dos professores da zona rural, uma vez que precisam gastar do seu salário para o transporte até o local de aula, entre outras coisas, com isso acha que o aumento não foi suficiente, salientando que os que ganham cerca de mil e pouco, no final do mês só lhe resta cerca de 800 reais. Aproveitou para criticar o aumento de 16% sobre o salário do STF, sendo que quando o aumento é para os professores, tudo se diz que é ilegal. No entanto são os que mais trabalham. Acrescentou que no STF além do alto salário, ainda têm os benefícios, regalias e vantagens. Finalizou discorrendo sobre projeto de Deputado para educação que está engavetado até hoje.
Comentou sobre o Secretário de Saúde, explicando que não iria mais conversar com o Prefeito sobre ele, pois não se resolve nada. Lembrou que da última vez, disse que iria resolver e nada. Ressaltou que certa vez que reclamou do secretário, Prefeito perguntou se tinha provas, e ele disse que sim e poderia levar testemunhas até seu gabinete, mas não resultou. Sobre o vidro do carro da saúde, se foi um ato criminoso, tem que haver uma investigação para saber quem foi e punir, pois a caminhonete não é do secretário e sim do poder público. Fez comentários sobre Rua Eneide Batista e Francisco das Chagas que iriam ser asfaltadas, estavam esperando chegar o verão e até hoje não foi feita, sendo que já tinha o recurso libera. Nisto destacou que Prefeito precisa conversar com Vereadores e dizer o que realmente está acontecendo e não fazer gastos desnecessários. Dentre outras coisas disse que Assis Brasil teria que ter um bate estaca para resolver os problemas da comunidade, pois nesta gestão já foi gasto com festa, recurso que era suficiente para comprar um bate estaca. Finalizou dizendo que passou a hora da desculpa e acredita que Prefeito vá fazer algo.

2 ANTONIA ALVES PEREIRA CAVALCANTE
Falou sobre atendimento médico realizado na comunidade do São Félix com a presença do Dr e Deputado Jenilson, aonde ele fez diversos atendimentos com a equipe médica, contemplando muita gente da zona rural,  dos ramais Erecê, Catianã, Primavera, etc. Ao todo foram 105 ultrassonografias, 55 eletrocardiogramas, exames da próstata e o povo ficou muito satisfeito. Nisto enfatizou que com os atendimentos, fez-se uma economia de cerca de trinta e seis mil reais aos cofres públicos de Assis Brasil. Nisto reclamou do Secretário de Saúde, que disse não ser um atendimento médico e sim politicagem, por isso acha que ele não tem noção das coisas, uma vez que foi uma ação boa para o município e para a sociedade. Disse que em Fevereiro esse mesmo médico veio ao Posto Antônio Alves e muita gente foi atendida com os exames. Acha louvável levar a saúde até as pessoas, porque é uma ajuda para a comunidade. Destacou que que se o Deputado quiser vir de novo para fazer atendimento, os vereadores vão ajudar, porque independente de ser politicagem ou não, é algo que beneficia a comunidade de Assis Brasil e vai brigar por isso. Mudando de assunto, contou que uma grávida na semana passada lhe contactou, pedindo ajuda para ir até Rio Branco, nisto a Vereadora deslocou-se até a Secretaria e foi informada de que a VAN não iria porque não havia viagem marcada, quando foi na madrugada a VAN viajou e deixou essa paciente para trás. Reclamou que acha isso uma falta de respeito com o povo. Dentre outras coisas, disse que recebeu reclamações de que a VAN estava apenas levando alguns pacientes e não traz de volta porque quando chegam lá, já tem um paciente marcado para voltar, então não acha certo porque se vai na VAN tem que voltar nela. Nisto indicou fazer abaixo assinado para resolver a situação da saúde, porque não dá para as pessoas estarem sendo humilhadas dentro da Secretaria. Pediu o apoio dos demais pares de Vereadores, para falar novamente com o Prefeito e caso não se resolva, levarão ao Ministério Público. Precisa-se que o Prefeito mude o Secretário, porque a situação é gravíssima, as pessoas estão sendo destratadas, além disso há cerca de quatro áreas na zona rural que estão descobertas de ACS. Acrescentou que nos postos faltam medicamentos. Falou sobre as pontes dos ramais que estão horríveis, se convertendo em um grande perigo para a comunidade. Contou que na semana passada teve um acidente no ramal por conta de disso. Alfinetou que as Pontes estão estragadas e indagou cadê a Secretaria de Obras para fazer ou ajudar o povo com o combustível para construção de pontes. Finalizou dizendo que se um carro cair na ponte, vai causar acidente horrível, uma vez que todas as pontes estão uma calamidade.
Retornou a falar do atendimento e destacou que foi distribuído medicamento para verme, vitamina B, hipertenso, paracetamol, dentre outros. Sendo que o Deputado tirou dinheiro do bolso para comprar remédio e distribuir para o povo. Contou sobre vidro da caminhonete da saúde que quebrou e a forma como aconteceu, sendo que rapidamente o Secretário mandou ajeitar para não haver falatórios. Relatou ainda, reclamação que recebeu que quando tinha só um carro pequeno, o Secretario viajou para fora, passou a semana viajando e os funcionários ficaram sem veículo para fazer os trabalhos, sendo que o mesmo estava estacionado em garagem de hotel, esperando o secretário voltar de viagem. Finalizou dizendo que a campanha mais rica do Acre foi a do Márcio Bittar que gastou mais de 2 milhões de reais, sendo que o Vereador é limitado de gastar em campanha.

3 PAULO SALES DA SILVA
Reforçou as palavras da Vereadora Antonia a respeito da saúde no município, relatando que amanheceu o dia comprando paracetamol para um paciente do ramal do Catianã que estava com receita, mas não havia medicamento no posto. Nisto reclamou porque o povo precisa de medicamentos e não tem. Destacou que em conversa com seus amigos, foi dito que não têm nada contra o Secretário de Saúde, mas sim com o Prefeito que está errado e não toma uma atitude. Alfinetou que Prefeito está precisando fazer um curso de Gestão, porque ouve dizer que tem dinheiro em conta para fazer tantas coisas, mas nada é feito. Está faltando inteligência, porque um Prefeito inteligente não fica com secretário parado na Obra, na Agricultura, na Saúde e no seu Gabinete. Com relação às suas indicações, reclamou que o ramal da Bacia passou o ano todo sem ser feito nada, sendo que o Prefeito é formado na área de agricultura e deixa o povo isolado. Acrescentou que indicações não vão chegar ao conhecimento do Prefeito por conta da Secretária de Gabinete. Exemplificou falando de conversa com o Prefeito aonde cobrava o repasse do subsídio da borracha, no que o Prefeito disse não saber de nada pois até o momento não havia sido cobrado, no entanto o senhor De Araújo, destacou que enviou oito ofícios cobrando e mostrou as cópias dos recebidos, mas o Prefeito retrucou que não havia recebido nenhum, então isso quer dizer que a Secretária dele continua engavetando os documentos. Dentre outras coisas, destacou que ia passando na rua Francisco das Chagas e quase foi atropelado por um ciclista que vinha no escuro, fato que inclusive já fez indicação para iluminação da referida rua. Nisto fez um desafio para o Prefeito e Secretários deixarem os carros e andarem a pé nas ruas escuras à noite para perceberem a real situação enfrentada pelo povo. Finalizou falando de reunião com vice prefeito para construção de ponte em ramal, no que ele e outros moradores destacaram que forneceriam a alimentação para as pessoas que forem fazer o serviço. Enfatizou ainda que o produtor rural não quer muita coisa, apenas que o ramal esteja trafegável e as pontes em boas condições. Então há duas opções, ou o Prefeito troca o seu quadro de pessoal ou Assis Brasil afunda de vez.

4 LÁZARO ARTUR BRASIL MANCHINERI
Agradeceu os esforços do Governador, Leila e da Ivelina para com a comunidade indígena porque agora tem professor lá. Ficou triste que Leila não ganhou a eleição. Seguiu contando que foram entregues cadeiras, livros, cadernos na escola da aldeia, sendo que é muito difícil de chegar lá, principalmente por conta das pontes. Destacou que a pessoa que está à frente do executivo não sabe o que passam aqueles que vivem na zona rural. E agora que tá chegando o inverno estão pagando caríssimo a passagem, mas sabem que não é culpa dos toyoteiros ou motoqueiros e sim por conta das condições dos ramais. Toyoteiros estão na razão de aumentar o preço do frete porque as peças de consertos dos veículos custa caro. Destacou que já gastou cerca de 1500 reais para chegar na aldeia por conta das péssimas condições dos ramais. Contou que já fez muitas indicações para atender o povo indígena, mas não foram atendidas, sendo que os indígenas estão lhe cobrando diariamente. Dentre outras coisas, falou sobre o polo de Assis brasil, que está passando por dificuldade grande em relação à saúde indígena. Nisto já fez documento solicitando parceria da prefeitura com carro e combustível para atendimento dos pacientes. Falou também que Saúde Indígena repassou informação de que tem recurso, para atender os indígenas, nisto pediu ajuda para descobrir aonde está sendo gasto esse dinheiro. Dentre outras coisas, contou que o povo indígena se sente discriminado quando chega no posto de saúde para atendimento, porque o pessoal diz para irem para o posto da SESAI que será atendido, no entanto se vão para outro posto é porque já foram encaminhados da SESAI para lá. Alfinetou dizendo que considera que a cidade de Assis Brasil é como o ramal do Icuriã, que você vai no escuro. criticou ainda que as ruas são cheias de cocô de cachorro, e que indo para o hospital se deparou com cachorro morto no meio da rua e ninguém recolheu, então por isso ele gosta da aldeia, porque não tem cheiro de esgoto, de cachorro morto ou de cocô na rua. Destacou que na aldeia o ar é limpo. Nisto vê que Assis Brasil é uma cidade má administrada. Finalizou desejando que o novo governo valorize as leis que amparam os povos indígenas, no que se refere à educação, terras, saúde, para evitar de eles venham para a cidade.

5 ANA CLÁUDIA DA SILVA GONÇALVES DE MORAES
Relatou sobre a caçamba do lixo que foi muito debatida na sessão passada, no que conversou com o Secretário para saber porque ela estava deixando de fazer a coleta e puxando areia, no que foi respondido que a caçamba teria estourado o pneu e conseguiram o pneu por isso estavam ajudando. Destacou que a cidade está tomada pelo lixo, os urubus estão tomando de conta, então agora não são apenas os buracos. Sobre matéria que questionava aonde está maromba de Assis Brasil e conivência dos vereadores, Acha que a pessoa que mandou notícia para reportagem, não frequenta a sessão e não sabe que cobram todas as sessões, sobre a maromba, as ruas, sobre as pontes, ramais, dentre outras coisas. Acrescentou que tem um secretário de Obras, mas não sabe se o mesmo existe realmente porque não vê fazer nada. Contou que o pessoal do Iracema está com problemas na ponte e o secretário foi lá várias vezes e não deixou a gasolina para fazer a serragem. O povo disse que o bate estaca já foi embora e não foi feito o trabalho. As pessoas dali não querem mais passar na ponte com medo de cair. Dentre outras coisas, reclamou sobre a Rua da descida da iriscélia e do Deli que estão em péssimas condições.
Com a palavra de volta, Ana Cláudia, disse que tudo jogam a culpa encima do Vereador, mas fazem as indicações e mandam para a Prefeitura, no entanto não são atendidos. Nisto destacou que o Prefeito tem que trocar de secretários, porque eles não estão nem aí para o povo. A prova é que na Saúde, Obras e Agricultura está tudo parado. Alfinetou que a caçamba não pode fazer recolha do lixo, mas nos finais de semana fica trabalhando com coisas alheias. Outro fato é sobre a Assistência Social, aonde foi com o Vereador Piel para ver se algum programa está perdendo recurso. No que o Secretário informou que não estão perdendo recurso, a não ser de um programa mas que é problema do Governo Federal. Funcionária também reafirmou que estão alimentando o sistema corretamente e por isso não há perda de recurso. Sobre os problemas da Saúde disse que a única solução seria reunir o povo para manifestar em frente à Prefeitura, pois não tem medicamentos, licitação tem dois anos e ainda não saiu. Outro assunto tratado pela Vereadora foi a respeito da cerca da Escola Maria Ferreira e da quadra que alunos não estão usando porque a noite o povo entra e faz suas necessidades, usam para outros fins porque o local é aberto, sendo que a cerca já foi paga tem mais de um ano e não foi feita. Dentre outros temas, falou sobre os banheiros que estão sendo construídos e a falta de atendimentos em diversos serviços em Assis Brasil, sendo que tudo precisa se deslocar até Brasileia, INSS, Carteira de Trabalho, entre outras coisas, que o povo está reclamando. Acrescentou que em Assis Brasil tem gente qualificado para fazer, mas não estão fazendo. Concordou com Lázaro que Assis Brasil é como o ramal do Icuriã, que todos os anos as pessoas pensam que vai melhora mas só piora. Sobre a cerâmica, destacou que visitou e trabalhadores estão trabalhando e recebendo seus salários em dia. Está produzindo, precisa regularizar com a licitação, mas por enquanto está tudo bem. Finalizou abordando cobrança "cômica" feita por morador do Icuriã, que perguntou se os Vereadores têm algum projeto para acabar com os besouros de Assis Brasil.  









VÍDEOS INTERESSANTES

Câmara Municipal De Assis Brasil - Acre
Rua Raimundo Chaar, 372, Centro - CEP. 69935.000